Receitas

Foie gras tá liberado em SP: veja 4 argumentos contra e 4 a favor da venda

Getty Images
Foie gras poderá ser comercializado novamente em São Paulo até segunda ordem Imagem: Getty Images

Débora Costa e Silva

Do UOL, em São Paulo

14/07/2015 20h08

O Tribunal de Justiça de São Paulo concedeu nesta terça-feira (14) uma liminar suspendendo a lei que proíbe a venda do foie gras na cidade de São Paulo. A norma foi aprovada em 25 de junho, mas só entraria em vigor em 11 de agosto.

A mudança aconteceu graças à intervenção feita pela Associação Nacional dos Restaurantes (ANR), que protocolou uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) na última quarta-feira (8). A decisão tomada pela Justiça suspende a lei até segunda ordem. Agora resta aguardar o julgamento, sem previsão de data. A Prefeitura de São Paulo ainda não se manifestou a respeito, pois não foi notificada oficialmente da liminar.

Enquanto uns comemoram, outros lamentam. E você, já sabe o que pensa a respeito da proibição do foie gras em São Paulo? Para definir seu posicionamento em relação a essa polêmica, veja abaixo argumentos contra e a favor do produto:

4 motivos contra a venda do foie gras

  • Prejudica os animais

    O foie gras é produzido a partir da engorda de patos ou gansos, superalimentados por um processo chamado "gavage" (do francês "gaver", que significa "comer demasiadamente"). Como os animais são forçados a comer (muitas vezes utilizando equipamentos encaixados no trato digestivo), muitos ativistas se posicionam contra.

  • Não é só comida

    A lei 16.222 não diz respeito apenas a gastronomia: a norma também proíbe a comercialização de artigos de vestuário feitos com pele de patos e gansos.

  • Já existe uma lei que protege as aves

    Apesar de já existir há décadas o Decreto-Lei 24.645/1934, que proíbe "engordar aves mecanicamente" no Brasil, a carne utilizada para fazer o foie gras continua a ser comercializada em restaurantes de São Paulo.

  • Já é proibido em outros lugares

    A polêmica não é recente e muitos países já se posicionaram contra ou a favor. O foie gras já foi proibido em Israel, na Alemanha, na Noruega, na Inglaterra, na Argentina e na Índia. E aqui o número de ativistas contra só aumenta. Antes da lei ter sido aprovada, o prefeito Fernando Haddad havia recebido um documento com 90 mil assinaturas a favor da proibição. Ativistas de direitos dos animais também fizeram protestos em frente à prefeitura para que a norma fosse aprovada.

4 motivos a favor a venda do foie gras

  • Nem todos são cruéis

    A técnica de engorda de patos e gansos, considerada cruel por muitos ativistas, não é tão disseminada em São Paulo. De acordo com alguns chefs que mantém restaurantes na capital paulista, um dos principais fornecedores de foie gras na cidade é a empresa Agrivert que, no interior do estado, mantém patos mulard (espécie conhecida por armazenar muita gordura no fígado) alimentados de forma natural e balanceada.

  • Retrocesso cultural

    Muitos chefs de São Paulo se posicionaram contra a proibição. "Se preocupar com o consumo de foie gras é falta de assunto e de cultura e abre portas para outras leis absurdas. Em tempos de crise, proibir vender algo é no mínimo ridículo", afirma Renata Braune, do La Reina Deli Bar. A chef considera a lei um retrocesso cultural. O italiano Salvatore Loi, do Loi Ristorantino, reflete: "Uma pena a prefeitura decidir o que o paulistano pode comer ou não, o foie gras é uma tradição milenar, não é só um ingrediente. É uma falta de respeito com toda uma tradição gastronômica, e é uma questão tão pequena, sem impacto, que não entendo o porquê da medida".

  • Não é da conta da Prefeitura

    O principal argumento utilizado pelo advogado da Associação Nacional dos Restaurantes (ANR), Eduardo Yoshikawa, foi de que a decisão de vender ou não um produto alimentício não cabe à Prefeitura. "Há casos anteriores, de quando tentaram proibir outros itens, em que o Tribunal entendeu a lei como inconstitucional", afirma Yoshikawa. "Isso não é um assunto do município", defende.

  • Ao invés de proibir, regulamentar

    Países como República Tcheca, Dinamarca, Noruega e Alemanha proíbem a alimentação forçada de animais para fins gastronômicos, mas não vetam a importação ou venda do ingrediente. Foi um dos argumentos do advogado da ANR, Eduardo Yoshikawa. "Foi uma medida extrema, a lei poderia ter regulado o tratamento dos animais, não necessariamente proibir o produto".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Receitas

Topo