Receitas

Caquis são deliciosos in natura ou em sobremesas; saiba mais sobre a fruta

Thinkstock
Imagem: Thinkstock

Wagner Silva

Do UOL, em São Paulo

29/05/2013 21h10

Caqui macio ou firme? É este o primeiro pensamento do consumidor na hora de escolher entre as variedades da fruta mais conhecidas e consumidas por aqui.
Originário da China, o caqui chegou ao Brasil em 1890. Mas sua popularização só deu a largada a partir de 1920, com a chegada dos imigrantes japoneses que trouxeram outras variedades e também o domínio da produção.

Dezenas de espécies de caqui são produzidas no mundo. No Brasil, uma das variedades mais comuns é o Rama Forte, robusto (assemelha-se a um tomate), de formato achatado, cor vermelha e polpa de consistência mole e gelatinosa.

A cor e a textura desta espécie são os atrativos preferidos da chef Adriana Cymes, proprietária do Buffef Arroz de Festa, que confessa não ser sua fruta predileta. “É uma fruta de difícil harmonização com outros ingredientes. Ainda não passei pela experiência de experimentá-la numa cocção, uso somente no preparo de drinks e sobremesas”, revela.

Na hora da compra

Aparência é tudo: dê preferência aos caquis sem rachaduras, firmes e de cor uniforme. Quando maduros, devem ser alaranjados, avermelhados vivos, brilhantes e sem soltar líquido
Bem guardado: mantenha a fruta na geladeira ou em lugar fresco. Assim eles se conservam por até cinco dias
Qual levar? como algumas variedades não têm sementes, na hora da compra na feira o dono da barraca de frutas pode ser um bom aliado para informar qual se encaixa com a sua preferência
Firmeza total: os caquis duros, como os das variedades Fuyu e Giombo, devem estar bem firmes e com a casca amarela ou amarelo-esverdeada. Se estiverem moles já terão perdido sua característica para consumo
Madureza: já os caquis moles tipo Rama Forte são tratados para terminarem a maturação durante o processo de transporte e comercialização. Mesmo que ainda estejam um pouco firmes no momento da compra, eles amadurecerão

Outros tipos de caqui incluem o Fuyu, bem maior e achatado, de cor alaranjada e consistência firme e o caqui Giombo, de formato mais comprido, também alaranjado, consistência firme e que pode ou não ter sementes.

O Giombo sem sementes geralmente tem a polpa amarelo-avermelhada. Já a variedade com sementes possui também listras marrons. Daí o nome caqui-chocolate, espécie também muito consumida no nosso país.

Para a chef Juliana Cintra, do Restaurante Uni-MASP, essas espécies de caqui de consistência firme são ótimas para o preparo de saladas ou mesmo um carpaccio, pois harmonizam muito bem com as folhas. “Na cocção da fruta minha experiência é na preparação do chutney, que também tem adição de outras frutas e é um ótimo acompanhamento para carnes brancas”, sugere.

Cultivado principalmente nas regiões sul e sudeste, é em Itatiba (SP), que acontece em maio a Festa do Caqui & Cia, justamente o mês que a fruta  atinge o pico da safra. Mas como ela ainda está em alta nas feiras e prateleiras dos supermercados a preços convidativos, nada melhor do que saborear a fruta in natura ou mesmo prepará-la em receitas deliciosas (veja ao lado).

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Receitas

Topo