Receitas

Companhias aéreas investem nas refeições a bordo para atrair passageiros

Toby Melville/Reuters - 5.fev.2010
Na British Airways, chá servido aos passageiros foi criado levando em conta a altitude do voo Imagem: Toby Melville/Reuters - 5.fev.2010

Do UOL, em São Paulo

23/10/2013 16h14

Atire a primeira frasqueira quem nunca reclamou da comida durante um voo de avião. Algumas companhias aéreas, na contramão da redução dos pratos à bordo, resolveram investir em alguns detalhes das refeições a bordo para conquistar o paladar (e a confiança) dos passageiros. 

A companhia inglesa British Airways, por exemplo, elaborou um blend de chá especial junto com a marca Twinings, servidos em todos os voos desde junho deste ano, para todos os passageiros. A nova bebida, feita com variantes das ervas Assam e Ceylon, foi desenvolvida depois que uma pesquisa comprovou que o gosto do chá preto tradicional é alterado em até 30% por conta da altitude.

A mudança no paladar e as condições de preparo da comida são o principal desafio de quem faz alimentos para servir nas alturas: a pressão na cabine e a baixa umidade reduzem a percepção de gosto. Além disso, por questões de segurança não é possível nem ferver água dentro de um avião. Os pratos são apenas reaquecidos a bordo, o que pode fazer com que carnes e peixes, por exemplo, acabem cozidos em excesso ou ressecados.

Para driblar esse problema, algumas companhias apostam em grandes nomes para assinar seus cardápios. Na Air France, o menu da primeira classe e da classe executiva é assinado pelo chef Joël Robuchon, que conta com nada menos que 27 estrelas no respeitado guia "Michelin" em 20 anos de carreira. Os pratos mudam a cada dez dias, e contam com sugestões como peito de frango com molho de curry verde e arroz com papoula, e macarrão com camarões e capim-limão.

Chef nas alturas
Já a Singapore Airlines contratou os serviços do chef britânico Gordon Ramsay para criar os menus da companhia, enquanto a companhia Ethiad, baseada em Abu Dhabi, contratou chefs para preparar e servir refeições no ar para os clientes da primeira classe.

No Brasil, a barista Isabela Raposeiras, proprietária do Coffee Lab, firmou uma parceria com a companhia aérea TAM para criar um novo tipo de café a ser servido nos voos internacionais da empresa, que conta atualmente com 150 destinos em 23 países. O desafio de Raposeiras é escolher um blend que não sofra alterações por conta da altitude. A barista pretende analisar blends personalizados das principais marcas brasileiras em testes às cegas. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Receitas

Topo