Receitas

Vinhos verdes são boa opção para a Páscoa

Sergio Crusco

Do UOL, em São Paulo

21/03/2015 15h32

Ele é leve, fresco, de reduzido teor alcoólico e, portanto, menos calórico. Sutilmente frisante, tem a cara da tarde preguiçosa de sábado regada a comidinhas ligeiras com os amigos. “O vinho verde é descontraído, fácil, harmoniza com o clima brasileiro”, diz Bruno Almeida, da equipe de análise sensorial da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes, em Portugal.

O vinho verde sempre esteve nas adegas, nos supermercados e nas mesas do Brasil, embora seja pouco conhecido em suas peculiaridades. Há castas que geram vinhos de acidez pronunciada, com notas cítricas e herbáceas; outras que originam bebidas frutadas, que lembram pera, lichia ou frutas secas.

As variedades brancas, mais populares, são perfeitas com tudo o que for delicado: pescados, frutos do mar, ostras, lagosta, queijos brancos, sushi e sashimi,  Na Páscoa, o vinho verde é uma das melhores opções, pois sua harmonização campeã segue sendo o bacalhau.

A chef Ilda Vinagre, do restaurante A Bela Sintra, diz que os verdes, especialmente os da casta Alvarinho, fazem uma boa parceria com a untuosidade do azeite, abundante nas receitas portuguesas. Mas ela vai além: gosta de servir o verde com pratos franceses como o filé de linguado ao creme de leite, e brasileiros, como a moqueca capixaba -menos picante que a baiana- e sem dendê.

As versões tintas e rosés acompanham pratos como os assados, receitas mais gordurosas e condimentadas à base de bacalhau e as carnes de caça. 

Verde sim, maduro não

A Região dos Vinhos Verdes compreende o noroeste de Portugal. É limitada pelo rio Douro ao sul e pelo Minho ao norte, na fronteira com a Espanha. Hoje é uma denominação de origem controlada (DOC): para ser verde, é preciso ser produzido nessa região, a partir de uvas autóctones (ou seja, naturais do lugar).

Um engano comum em relação a este tipo de vinho é imaginar que sejam elaborados a partir de uvas verdes. Neste caso, ser verde significa exatamente não estar maduro – mas isso se refere ao vinho, não à fruta. Ou seja, ele é verde porque, em geral, não é envelhecido, passa pouco tempo armazenado antes de ser engarrafado e segue imediatamente para o consumo.

Apesar disso, alguns rótulos são envelhecidos por alguns meses em barris de carvalho antes da distribuição, o que confere notas de madeira e de frutas maduras à bebida. Outra ideia bastante corriqueira é a de que o vinho verde não “aguenta” muito tempo guardado, precisa ser consumido em menos de dois anos. Algumas castas, como a Alvarinho, originam vinhos que suportam de cinco a dez anos de guarda. Como os tintos, eles também evoluem em aromas e sabor, se armazenados corretamente.

Quem são eles

  • Alvarinho

    É considerada a casta mais nobre da região dos verdes, e também a que origina um vinho encorpado e frutado, com boa acidez, notas florais e de frutas tropicais. Está presente na maioria dos cortes de vinhos verdes

  • Loureiro

    Segundo o enólogo e produtor Anselmo Mendes, da região de Monção, "não há nada no mundo como a casta Loureiro". Cítrica, bem aromática tem caráter herbáceo bem pronunciado. O Loureiro estala na boca, de tão seco.

  • Avesso

    A casta foi assim batizada por ser de difícil cultivo, melindrosa, sujeita a pragas e ao pesadelo de qualquer viticultor: a podridão no cacho. Se bem cuidada, porém, resulta em vinhos de acidez alta

  • Arinto

    Uva bem aromática, que origina vinhos complexos, de caráter mais untuoso, bem gastronômicos e com notas de frutas maduras, como maçã ou pêra. O mel também pode surgir no paladar, especialmente após algum tempo de guarda.

  • Cortes

    Populares no Brasil e Portugal, são produzidos pelo corte de duas ou mais uvas, com as citadas acima e também com a Azal e a Trajadura. Enólogos portugueses têm mesclado uvas da região com castas estrangeiras. Mas mesmo sendo feitos na região, estes rótulos perdem o DOC de Vinho Verde

  • Tintos

    Os vinhos verdes tintos são secos, cheios de tanino e acompanham carnes vermelhas ou pratos do mar de sabor forte. Os vinhos obtidos a partir da casta Vinhão são bem rubros e opacos. Outra uva usada nos tintos verdes é a Espadeiro.

  • Rosés

    Os rosés da região dos vinhos verdes vêm ganhando fama internacional e hoje lideram a venda em seu segmento no país. Podem ser preparados com uvas da casta Touriga Nacional, gerando uma bebida bem refrescante, de aromas e sabores frutados.

  • Espumantes

    Desde o final dos anos, algumas vinícolas portuguesas têm criado bons espumantes, com todas as variedades usadas na elaboração dos brancos -às vezes uma só casta, às vezes cortes de duas ou mais. Ainda não são muito populares no Brasil.

  • Aguardente velha

    As aguardentes da região dos vinhos verdes são elegantes, bem diferentes da popular bagaceira (destilado do mosto do vinho). São envelhecidas de dois a seis anos e comparadas aos vinhos fortificados de Jerez e Conhaque. Ótima pedida para encerrar a refeição.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba seu horóscopo diário do UOL. É grátis!

Mais Receitas

Topo