Receitas

Em dúvida ao comprar carne? Veja dicas para levar peças de boa qualidade

Getty Images
Imagem: Getty Images

Denise de Almeida

Do UOL

O escândalo envolvendo frigoríficos no Brasil e a suspeita de carne adulterada sendo colocada à venda deixou muitos consumidores cheios de dúvidas. Como saber se você está levando para sua mesa uma carne de qualidade ou não?

O UOL conversou com Rodrigo Polesso, especialista em Nutrição Otimizada, para dar dicas do que o consumidor pode ficar atento na hora de comprar sua carne.

O especialista orienta a, em primeiro lugar, ficar de olho no lugar onde a compra é feita, para evitar uma carne ruim. "Em mercados populares e frigoríficos maiores há o risco maior de pegar uma carne que dizemos que não é de procedência. Se você conhece um açougue confiável perto da sua casa, um mercado mais conceituado, é preferível".

Rodrigo explica que a qualidade da carne é influenciada pelo tipo de alimentação a que o gado é submetido.

"O pior de todos é o gado criado alimentado com ração e com uso de antibióticos e hormônios. Infelizmente, muitos frigoríficos grandes fazem isso, porque você consegue engordar o animal muito rápido. O melhor tipo de animal é aquele que tem uma alimentação na natureza, que é criado comendo grama".

Mas não basta ter sido criado no pasto. "Tem outro tipo: o gado é criado na grama, só que na última etapa da vida dele eles dão bastante grãos e injetam hormônios anabólicos, para dar aquela última engordada antes de abater", alerta Rodrigo.

Mas como saber, olhando para a carne no mercado ou açougue, se ela é boa ou não? Primeiro observe a cor. "Uma cor vermelha mais vistosa, um vermelho mais vivo é sinal de uma carne mais fresca. Se uma carne tem aquela cor opaca é sinal de que já não é tão fresca. Esse é o primeiro sinal para você evitar correr o risco de pegar uma carne que está vencida".

Outro ponto para definir a qualidade da carne e tentar diferenciar a carne de gado criado com antibióticos ou com mais qualidade é observar a gordura, conta Rodrigo. "Sabe aquele marmorizado que tem no bife, da gordura? No gado que é de pasto há muito menos isso. No meio das fibras da carne você vê bem menos marmorizado, bem menos gordura". 

Getty Images
Imagem: Getty Images

O especialista esclarece que a cor da gordura também é importante. "Se for mais amarelada é um bom sinal, é um gado de pasto. Se a gordura for bem branca é um mau sinal. Isso indica que o gado provavelmente foi alimentado com grãos".

Sobre as notícias que apontam o uso de substâncias para maquiar a aparência de produtos prestes vencer, Rodrigo acredita que é difícil conseguir diferenciar isso ao comprar. "Sem ser um especialista no assunto, o consumidor final não vai conseguir notar. Você está sendo enganado. Vale considerar os outros pontos que você pode checar, como o cheiro, a gordura e a cor dela, pra tentar evitar cair no conto do vigário".

Quais os riscos?

O especialista explica que mesmo cozinhando bem uma carne vencida ela pode colocar você em risco. "Tem gente que pode pensar 'a carne está meio passada, mas se a gente der uma sapecada nela, tudo bem'. A questão é: cozinhando bem a carne você não mata todas as bactérias".

Ele alerta que a ingestão de carne nessa situação pode causar intoxicação alimentar, graças a bactérias mais resistentes. "Outro problema é que algumas bactérias, ao serem mortas, deixam toxinas para trás que podem causar náuseas e diarreia. Seria o lixo das bactérias, digamos assim. Em casos mais graves pode causar febre, problemas intestinais sérios e até morte, uma intoxicação alimentar é bastante grave".

Sabor e nutrientes diferentes

Rodrigo conta que existem diferenças para o seu corpo ao consumir uma carne de gado criado em pasto ou uma de gado que leva hormônios e antibióticos, chamada de má procedência. "Essa carne de má qualidade vai ter um tipo da gordura diferente. A gordura ômega 3, que todo mundo sabe que é saudável, em uma carne de pasto você tem uma quantidade natural e boa, tanto dela quanto de ômega 6. Só que a de má procedência praticamente vai ter só ômega 6 e quase nada de ômega 3. Hoje em dia as pessoas já sofrem de excesso de ômega 6, por causa do consumo de óleos vegetais". 

Há ainda diferença nos micro nutrientes de cada carne. "A densidade nutricional delas é diferente. A gordura mais amarelada da carne de pasto é por causa do betacaroteno, que é o que dá cor à cenoura também. Há vitaminas do complexo B também que estão presentes na carne boa, vitamina E, K, e minerais diversos, como cálcio, magnésio, selênio. Eles estão presentes em maior quantidade nas carnes de boa procedência. E a coisa que mais importa: o gosto. O sabor da carne de pasto é mais forte, mais intenso, como tem que ser", explica. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Topo