Vinhos

Dos tempos de Napoleão: conheça a história por trás do "vinho dos mortos"

Getty Images
Imagem: Getty Images

Anna Fagundes

Do UOL

27/04/2017 04h00

De origem portuguesa e com o inusitado nome de "vinho dos mortos", esse tipo de vinho foi criado de forma praticamente acidental em meio a uma guerra. A história da bebida, assim como seu sabor, é bastante peculiar.

Conta a tradição que, quando Portugal foi invadida pelas tropas de Napoleão Bonaparte em 1807, os donos das vinícolas das regiões de Trás os Montes e Beira Alta tiveram que esconder seus pertences mais valiosos para não serem saqueados pelos franceses. Entre as coisas que não poderiam cair nas mãos dos soldados napoleônicos, também estava o vinho produzido no local – e por isso as garrafas foram parar em covas rasas posicionadas debaixo das videiras e das adegas.

Meses depois, após as tropas terem sido expulsas do território português, os produtores voltaram às quintas e removeram os vinhos de seus “túmulos”, sem grande esperança de encontrar algo que pudesse ser consumido. Para a grande surpresa de todos, no entanto, a bebida tinha ficado ainda melhor depois da temporada debaixo da terra.

Por conta da temperatura constante e da fermentação completamente no escuro, o vinho dos mortos é uma bebida levemente gaseificada e de sabor muito específico. Há quem diga que o solo de saibro também tenha contribuído para manter a qualidade da bebida. Verdade ou não, o fato é que a partir disso a produção acabou sendo padronizada para garantir, de propósito, o resultado obtido por acidente.

Divulgação
Olivardo Saqui promove eventos com o Vinho dos Mortos em São Roque (SP) Imagem: Divulgação

A tradição portuguesa revivida em São Roque

O método de produção do vinho enterrado, atualmente, está reduzido a poucas vinícolas portuguesas na região do Alentejo – o rótulo tem designação de origem regional controlada e a safra, em geral, é vendida com bastante antecedência tão logo as garrafas vão para suas "covas".

No entanto, um produtor brasileiro “ressuscitou” a tradição por aqui, transformando o ‘funeral’ das garrafas em um grande evento com direito a fado e festa. Há dez anos, o produtor Olivardo Saqui promove noitadas de enterro de vinhos em sua vinícola em São Roque (SP).

O evento, que acontece no terceiro sábado de todo mês, envolve uma procissão à luz de tochas e música portuguesa. “A história do vinho dos mortos está morrendo em Portugal e por isso passei a revivê-la por aqui”, explica. “Muita gente faz do evento um passeio com a família, reunindo todos especialmente para a ocasião. Tem até quem traga os amigos para a vinícola só para mostrar onde enterrou a sua garrafa”.

Olivardo enterra garrafas de vinhos Bordeaux e Cabernet Sauvignon ainda jovens por seis meses na propriedade que mantém com a esposa e faz questão de seguir a tradição com bastante festa. Afinal, apesar do nome, "o vinho dos mortos anima os vivos!"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Comidas e Bebidas
Comidas e Bebidas
Comidas e Bebidas
BBC
Topo