Receitas

Contra lei que proíbe sal na mesa, bar no ES pendura saleiros no teto

Divulgação/facebook.com/pages/Ilha-do-Caranguejo
Restaurante Ilha do Caranguejo, em Vitória (ES), faz protesto contra lei que proíbe sal à disposição dos clientes Imagem: Divulgação/facebook.com/pages/Ilha-do-Caranguejo

Anna Fagundes

Do UOL, em São Paulo

14/07/2015 14h52

No Espírito Santo, colocar sal na mesa agora rende multa. Em vigor desde a semana passada, a lei estadual proíbe que saleiros e sachês de sal estejam disponíveis sobre as mesas e balcões de bares e restaurantes. Quem desobedecer será autuado e irá pagar R$ 1.343,55.  

Em protesto contra a medida, o dono de um bar da capital Vitória não se fez de rogado: no Ilha do Caranguejo, os saleiros foram pendurados no teto. "A lei é bem específica: não pode sal no balcão nem na mesa. Ninguém pode reclamar se o saleiro está preso acima da mesa", diz Gugu Barbalioni, dono do bar.

Além dos "saleiros voadores", a casa fez um varal com sachês de sal e "colares" com o tempero, utilizados por um dos garçons. Pela lei, sancionada pelo governador Paulo Hartung (PMDB-ES), os clientes podem pedir para que os atendentes tragam o tempero para a mesa, se desejado.

O que você acha da lei que proíbe colocar saleiros nas mesas?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

"A grande maioria das pessoas sabe que sal em excesso faz mal. Mas o excesso de qualquer coisa faz mal, seja açúcar, sal ou trabalho demais", diz Barbalioni, que também pregou cartazes com slogans contra a medida no bar. "Acho que é uma lei estúpida, uma intromissão do Estado no direito de consumo das pessoas".

O argumento a favor da lei é que o uso de sal no Brasil se tornou uma questão de saúde pública para a prevenção de doenças crônicas ligadas à alimentação. De acordo com números da Organização Mundial de Saúde, é ideal consumir no máximo cinco gramas de sal por dia, mas pesquisas do governo apontam que os brasileiros consomem em média 12 gramas diários.

Outros projetos
A discussão sobre proibir ou não o sal de cozinha nas mesas não é nova: um projeto parecido foi proposto no Espírito Santo em 2012. Em Pernambuco, uma lei semelhante foi proposta em 2014, com multa ainda mais salgada: até quatro mil reais para quem colocasse saleiros ou sachês à disposição dos clientes. O projeto, porém, foi arquivado.

Recentemente, outro ingrediente causou polêmica em São Paulo: o uso e venda de foie gras (fígado gordo de patos e gansos) foi proibido por lei, apesar dos protestos de chefs. No Recife, uma lei semelhante está em tramitação na Câmara dos Vereadores. Se aprovada, o produto não poderá ser vendido na capital pernambucana, sob pena de multa de cinco mil reais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais Receitas

Topo